Google+ Badge

sábado, 28 de janeiro de 2012

Pavilhão de São Cristóvão

No Governo do Conde de Arcos, em 1806, foi criada uma feira que ficava no Campo de São Cristóvão e era muito concorida. Quando, em 1808, a Família Real ocupou a Quinta da Boa Vista, os batalhões de guarda escolheram o grande largo do Campo para exercícios militares. Em 1866 o local passou a chamar-se Praça D. Pedro I, mas com a Proclamação da República, seu nome passou a ser Praça Marechal Deodoro.

Neste local, até o início do Século XX se realizavam os desfiles militares, mas nesta época, o local voltou a ser conhecido como Campo de São Cristóvão, e nele foi construído um grande pavilhão de ferro para que as autoridades assitissem aos desfiles. Na década de 1960 foi alí construída uma grande estrutura elíptica, destinada a abrigar exposições, mas devido à sua arquitetura arrojada, que se apoiava apenas nas periferias, sem pontos de sustentação, acabou por desmoronar.

Já há muitos anos funcionava na rua em volta do Campo São Cristóvão uma tradicional Feira Nordestina, que era a maior aglomerado de tradições nordestinas fora do Nordeste. O Prefeito César Maia resolveu aproveitar o espaço abandonado do Pavilhão para abrigar esta feira.



Acima o Pavilhão,  visto de cima mostrando cobertura formada de cabos de aço em curva e presos à uma estrutura curva. 

Com a inauguração do Rio Centro, o velho pavilhão perdeu seu status de maior espaço para eventos da cidade, e começou a ter seu período de decadência .
Nos anos 80, várias escolas de samba o utilizavam como barracão, seu teto já apresentava vários problemas e as instalações estavam completamente dilapidadas, um incêndio de grandes proporções agravado pelo tipo de matéria prima que as escolas de samba utilizam provocou o desabamento de grandes trechos da cobertura pelo rompimento dos cabos de aço.
Depois desse evento o pavilhão foi abandonado pois foi interditado pela defesa civil.
A cobertura foi então removida, e o pavilhão ficou por muito tempo sem uso, até que em 2003 passou a abrigar a Feira de São Cristóvão, conferindo à mesma um ambiente arquitetônico interessante, curioso e com algumas histórias pregressas. Mas desta vez sem a cobertura.

O antigo Pavilhão de São Cristóvão se transformou no Centro de Tradições Nordestinas Luiz Gonzaga e é hoje um dos pontos turísticos que mais atrai pessoas em todo o país. São cerca de 500 mil visitantes por mês.   









Centro Luiz Gonzaga de Tradições Nordestinas
Campo de São Cristóvão S/Nº – Pavilhão de São Cristóvão – Bairro de São Cristóvão – Rio de Janeiro/RJ.  Tel.:2252 1867
Funcionamento
Terças, quartas e quinta s – 10:00 às 18:00 (Somente alguns restaurantes e barracas)
Sextas, sábados e domingos – 10:00 de sexta até 21:00 de Domingo
Taxa de Entrada - R$ 3,00.

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Largo do Bicão


Voce conhece a Praça Rubey Wanderley na Vila da Penha? Não? Mas com certesa Largo do Bicão voce conhece.

No entroncamento das avenidas Meriti e Brás de Pina, encontra-se o Largo do Bicão. O largo tem esse nome devido ao problema da falta de água que assolava o Rio de Janeiro do Seculo 19. Era nesse local que moradores iam buscar água, numa grande torneira pública. 

Segundo o fundador da Biblioteca Comunitária Tobias Barreto,  Evando dos Santos, o imperador D. Pedro II já passou pelo Largo do Bicão e foi ele quem mandou instalar a bica que deu nome ao local.
Outro detalhe histórico lembrado por Evando é que a região do Largo do Bicão já abrigou um quilombo de negros. A Estrada do Quitungo, que passa por Brás de Pina, tem esse nome em referência ao quitungo, uma cesta usada pelos negros para transportar alimentos.




 
                            Foto de 1928, onde vemos o aspecto rural do Largo do Bicão 
 
 "A palavra Penha significa pedra e foram exatamente as pedras do Rio Irajá as responsáveis pela formação da VILA DA PENHA. É que elas formavam verdadeiras barreiras e se transformaram em obstáculos aos colonizadores, que navegavam com destino a IRAJÁ. Eles eram obrigados a interromper a viagem, onde é hoje a VILA DA PENHA, e prosseguir por terra. Com o tempo a VILA DA PENHA transformou-se em PORTO para as embarcações e parada obrigatória para a penetração rumo ao interior. Foi aí que começaram a surgir as pequenas casas, pomares e hortas que caracterizam a VILA DA PENHA a partir de 1600.
A expansão do bairro começou por volta de 1920, quando já existiam algumas fazendas com ENGENHOS DE AÇÚCAR e aguardente na região. Vários proprietários iniciaram, por conta da falência do sistema de produção de açúcar, o desmembramento e loteamento de seus terrenos. O LARGO DO BICÃO era um ponto tradicional, uma enorme BICA era utilizada para abastecer os lavradores e também cavalos e burros que serviam às explorações do interior. 

Atualmente, o largo é composto por uma praça cercada de comércio, bancos, supermercados,  academias, escolas.  



Fonte: Jornal O Dia.








sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

O Novo Parque de Madureira

                         Madureira ganhará o terceiro maior parque da cidade



Mais de um século depois, o Rio assiste a outro bota-abaixo. Passados 105 anos desde que o prefeito Pereira Passos derrubou tudo o que encontrou pela frente para abrir a Avenida Central e construir o Centro, finalmente as máquinas do progresso chegaram ao subúrbio da Central. Com tratores, escavadeiras e guindastes, Eduardo Paes faz surgir agora um sem fim de canteiros de obras em Madureira.

Do alto, é possível ver o bairro todo rasgado por tratores e escavadeiras, numa prévia do que virá com a chegada do corredor de ônibus Transcarioca e o surgimento do Parque de Madureira, que será o terceiro maior do Rio. A imagem mais impressionante é a da construção da nova área de lazer, numa área de 103.500m² — o equivalente a 14 campos do Maracanã. 

Embora as demolições das casas da comunidade Vila das Torres, onde será construído o parque, já estão em andamento, alguns moradores com o apoio da Defensoria Pública tentaram resistir contra essa construção, devido a indenização que receberam da prefeitura e a forma de que isso foi feito. A 29° DP, delegacia do Magno foi mudada de local para que fique mais perto do parque, no espaço da antiga casa de shows Casarão do charme. além disso, a rede elétrica da Light, está sendo compactada, para que não fique no espaço do parque.
O parque nasce num traçado reto de 1.350 metros, à beira da linha do trem. Haverá tantas novidades ali que até o clima nas redondezas ficará mais ameno. Estima-se que a temperatura ali cairá até 5 graus centígrados por causa dos 21.500m² de grama, das 432 árvores e 194 palmeiras. Além disso, ainda haverá cinco lagos com fontes iluminadas para refrescar ainda mais os frequentadores.


O parque de Madureira fica entre as quadras da Portela e da Império Serrano. Nada mais natural que tivesse um espaço para os bambas, na Praça do Samba, um anfiteatro para 900 pessoas sentadas na arquibancada e 1.500 sambando — isso mesmo, sambando, como divulga a própria prefeitura, numa nova medida de lotação carioca.




Projeção de como será o parque


               A conclusão da obra esta prevista para o segundo semestre de 2012.

Fonte:
Extra, O Globo


Parque Madureira grande festa inaugura nova área de lazer carioca


Prefeitura comemora encerramento da Rio+20 com festa para lançar novo parque, totalmente sustentável, em grande área verde na Zona Norte da cidade.

Os moradores da Zona Norte vão ganhar um grande presente da Prefeitura do Rio. No sábado, dia 23 de junho, um dia depois do encerramento da Rio+20, uma grande festa irá marcar a inauguração do Parque Madureira, grande área verde com várias opções de lazer e esporte no coração da Zona Norte carioca.

A festa na Praça do Samba, que tem um palco em formato de concha acústica, irá começar cedo. A partir das 9h, o esquenta fica por conta da batucada das escolas de samba mirins Filhos da Águia, da Portela, e Império do Futuro, da Império Serrano, que se apresentam antes da solenidade oficial de inauguração, `as 10h. Depois disso, o dia segue com uma agenda intensa que inclui uma roda de samba com os baluartes da região e convidados e shows de Arlindo Cruz, Bruno Maia e Marquinhos de Oswaldo Cruz. E a inauguração do Parque Madureira não poderia terminar de outra forma: um grande show de carnaval da Império Serrano e da Portela.
A entrada é franca. Censura livre. A partir das 9h.
Rua Soares Caldera, 115, Praça do Samba (atrás do Madureira Shopping Rio)




PROGRAMAÇÃO:

09h – Apresentação das escolas de samba mirins e casais de Mestre-Sala e Porta-Bandeira da Portela e do Império Serrano
10h – Solenidade de inauguração com a presença dos sambistas Marquinhos de Oswaldo Cruz, Zé Luiz do Império, Noca da Portela, Wilson Moreira, Dorina, Tia Surica, Monarco, Mauro Diniz e Arlindo Cruz
11h20 – Roda de Samba (artistas listados acima)
13h – Show Arlindo Cruz
15h – Show Bruno Maia
17h – Show Marquinhos de Oswaldo Cruz recebendo as Velhas Guardas da Portela e Império Serrano
19h – Show G.R.E.S Império Serrano
20h – Show G.R.E.S Portela

 http://www.mancheteonline.com.br/parque-madureira-grande-festa-inaugura-nova-area-de-lazer-carioca/#.T-TaySqRVm8.facebook

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

No tempo que Dondon jogava no Andaraí

A música composta pelo sambista Nei Lopes e interpretada por Zeca Pagodinho tornou, além do bairro, o extinto clube e o obscuro jogador conhecidos no Brasil inteiro
Poucos cariocas conhecem a história desse simpático clube, que esteve durante décadas na elite do futebol do Rio de Janeiro.




Andarahy A.C.

Andarahy Athletico Club

No dia 9 de novembro de 1909 foi fundado o Andarahy AC, localizado na Rua Barão de São Francisco no bairro de Vila Isabel, na Zona Norte da cidade. O Estádio era chamado de Barão de São Francisco, também conhecido como Rua Prefeito Serzedello Correia e pertenceu ao clube até 1962. O seu uniforme tinha às cores verde e branco. Durante a história, o clube alternou dois modelos de uniformes: camisa inteiramente verde e calções brancos e camisa listrada na vertical alviverde e calções brancos.

Nesse ano, foi vendido por CR$ 60 milhões ao América, que passou a chamá-lo de Estádio Wolney Braune. Nos anos 90, o América vendeu o estádio que atualmente é o Shopping Iguatemi, em Vila Isabel.

Ao todo, o alviverde disputou 20 campeonatos cariocas, sendo o último em 1937. A sua melhor colocação no carioca ocorreu em 1934, quando ficou com o vice-campeonato, com dez vitórias, dois empates e duas derrotas, só ficando atrás do campeão Vasco.


O jogador Dondon, que ficou famoso no samba, foi um zagueiro que atuou pelo Andarahy de 1932 a 1938 e fez parte do time vice-campeão carioca, em 1934. Além de Dondon o Andarahy teve outro atleta que possui história curiosa. Trata-se do ponta-esquerda Arubinha que, em 1937, depois de participar de humilhante derrota de seu clube para o Vasco por 12x0 teria enterrado um sapo com a boca costurada em São Januário na manhã seguinte à derrota. Ele então rogou praga afirmando que o rival ficaria 12 anos sem ganhar um título. A praga não deu certo, pois o Vasco foi campeão antes desse período e o mais curioso é que o jogo da goleada aconteceu no estádio do Fluminense, Laranjeiras.


Principais glórias do Andarahy Athletico Club:

- Vice-campeão carioca de 1934 (AMEA)
- Campeão carioca da segunda divisão em 1915 e 1925
- Campeão do torneio início em 1924
- Campeão carioca de juniores em 1928




Tempo de Dondon

No tempo que Dondon jogava no Andaraí
Nossa vida era mais simples de viver
Não tinha tanto miserê, nem tinha tanto tititi
No tempo que Dondon jogava no Andaraí
No tempo que Dondon jogava no Andaraí (2x)
Fast food era merenda
Breakfast, café da manhã
O hipermercado era venda
E "halls-mentolips", bala de hortelã
Hortifruti era tudo quitanda
E jeans era só calça Lee
No tempo que Dondon jogava no Andaraí
No tempo que Dondon jogava no Andaraí
Desemprego era desvio
Loteria era contravenção
Metida era pessoa esnobe
E quem fazia lobby, era "um bom pistolão"
INSS não tinha
Só IAPC, IAPETC e IAPI
No tempo que Dondon jogava no Andaraí
No tempo que Dondon jogava no Andaraí
Tinha cérebro eletrônico
E vitrola tocava Long Play
Afeminado, invertido,
Gorgota e enrustido era o nome dos gays.
Pedófilo era tarado
Transformista hoje é travesti
No tempo que Dondon jogava no Andaraí
No tempo que Dondon jogava no Andaraí


Fonte: 
Sergio Mello / Jornal dos Sports 
Correio Carioca