Google+ Badge

sábado, 5 de novembro de 2011

Casarão de Braz de Pina




Segundo dizem foi construído durante os anos 1920, por  um alemão que morava nas Laranjeiras e, apaixonado pelos ares suburbanos e quase rurais, resolveu construir uma residência na parte alta do novo Bairro-Jardim.
Após isso, trouxe consigo toda a sua família. Na década de 1970, ele veio a falecer bem velho. Deixou a casa para familiares que, nem se quer, foram vê-la. Um médico que entrou na casa nessa mesma época, disse que o interior dela era sombrio e assustador.
Ela ficou e está abandonada até hoje.
Fica proxima a Igreja de Santa Cecilia, e agora ostenta uma placa de vende-se.
Povoou os sonhos e a curiosidade especialmente das crianças de varias epocas que sempre ouviram e contaram historias de que era mal assombrada.
Lendas a parte, parece que ninguem realmente sabe a real historia desta casa que continua imponente e necessitando ser preservada.
Alo vereadores que adoram colocar faixas agradecendo podas de arvore, Braz de Pina merece um polo cultural e nada melhor que esse casarão que junto com a Igreja de Santa Cecilia fazem parte da historia deste bairro.














60 comentários:

  1. Essa do alemão vir para Brás de Pina pra descansar parece mentira se for contar para os jovens de hoje.Muito bom!

    ResponderExcluir
  2. Pelo que consta,pertenceu à Família Guinle,dona da Companhia Kosmos,que projetou o Bairro em Estilo Colonial Inglês à partir da Praça do Country e quarteirões vizinhos,sempre com uma área central comunitária para os moradores,que hoje se transformou entre outras coisas,no Bosque,Escola Técnica Nossa Senhora das Graças,Escola Goethe,Escoteiros,DPO,Country Club,etc...Todos esses espaços já pertenceram à comunidade e hoje estão sob administração particular à pretexto de interesse público.Bela idéia do Centro Cultural,já que existe muita História do nosso bairro para ser resgatada.

    ResponderExcluir
  3. Acho que vou estragar a aura de Mistério do Casarão,mas lá vai...Guilherme Guinle,fundador do Banco Boavista e Companhia Kosmos Construtora,nasceu no RJ em 1882 e sua família operava o Porto de Santos e o Copacabana Palace.Devoto de Santa Cecília,mandou construir a Igreja idêntica à original na Suíça,além do Hospital Gafree Guinle.Participou do Governo Vargas na construção da Companhia Siderurgica Nacional,inclusive sendo Presidente da CSN.Sua coleção de moedas e medalhas da Época das Cruzadas e européias,além de barras de ouro do Brasil Colonial faz parte do acervo do Museu Histórico Nacional.Fez história como empresário e benemerito nacional...Ensaio Biográfico de Guilherme Guinle,de Geraldo Mendes de Barros,editora Agir,1982.

    ResponderExcluir
  4. A idéia do Guilherme Guinle(Bairro-Jardim) trouxe moradores de todo o País,com muros baixos de cerca viva e gramado que avançava pelas calçadas,tal como nos subúrbios dos filmes americanos.Com o tempo,as casas foram sendo descaracterizadas,ainda restam algumas em frente á Praça do Country Club e algumas outras espalhadas pelo Bairro.Atrás dessa qualidade de vida,vieram meu bisavô materno(Abreu/Seu Neca)que abriu uma loja de móveis na esquina da Taborari com Boa Viagem(antiga Orojó)e meu avô paterno(Seu Rocha)na esquina da Coirana e Jorge Coelho(Café e Bar Rio Branco).Com isso,a Família Abreu Rocha já vai completando 5 gerações no Bairro.Mesmo morando em Porto Alegre,vou pelo menos 5 vezes por ano ao Bairro onde me criei.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Rinaldo!
      Morei por 10 anos no número 314 da Taborari. Nunca pensei que bem ao lado tivesse sido uma loja de móveis. Nesses 10 anos, já foi bar, serralheria e cabeleireiro. O pouco comércio naquela área a duras penas sobrevive, muitos fecham logo. Ainda moro em Brás de Pina, mas em outra rua e realmente quero ver aquele bairro melhor.

      Excluir
    2. Rnaldo eu lembro muito bem da Familia e do Botequim do seu Rocha que era perto da leiteria e do acougue, eu cresci na rua Cantan, (subida da Igreja Sta. Cecilia) Lembro de tuas irmas mas de nome lembro somente a Amalia e de voce ou de seu pai que tinha a fabrica de linguincas ali na entrada da estrada do Quitungo. Eu sai de Bras de Pina a 37 anos atras. Meu saudoso e adorado pai era o Sr. Joaquim do Caminhao, Lembro armarinho do Sr. Alberto, a casa de moveis dos Leitoes, e por ai afora (pena que da Gloriosa Bras de Pina soh exitem agora vestigios do que era! meu email para amigos e conhecidos somente eh jfern4141@aol.com

      Excluir
  5. Boas informações Rinaldo, na rua Enes Filho ainda vemos muitas casas com a arquitetura original.

    ResponderExcluir
  6. Tive a chance de passar de trem em frente na semana passada (19.04.12). Não é minha rota usualmente.
    Chamou-me atenção o tamanho do terreno ao lado (voltado para linha do trem), devidamente “cortado” em jardim. É como se fosse um segundo lote quase do tamanho do da esquina.
    Não consegui ver direito, mas pareceu-me haver uma edícula (casa de hóspedes ou de empregados, separada da principal) ao fundo, mas não pude ver bem por entre as árvores (nem na ida nem na volta).
    O palacete propriamente dito está num estado digamos razoável, considerando, conforme vocês disseram, estar fechado há quase 30 anos (suponho pelos cálculos).
    Havia uma cadeirinha de ferro de armar (tipo cadeirinha da Brahma) na varanda, o que me faz pensar que há, no mínimo, alguém tomando conta. Jardins e quintais também roçados.
    E o “vende-se” lá, voltado para a via férrea...

    ResponderExcluir
  7. J.C. obrigado pelos comentarios, voce menciona uma cadeirinha, na realidade o casarão nunca ficou abandonado, sempre teve gente tomando conta, justamente para ser invadido.Senão ja teria virado um cortiço.
    Coloquei novas fotos de outros angulos.

    ResponderExcluir
  8. Corrigindo o comentario anterior, "para não ser invadido".

    ResponderExcluir
  9. Sou mais que acha que aquele casarão deveria virar polo cultural.

    ResponderExcluir
  10. O primeiro proprietário foi o Dr. Ruy Campista, segundo informações era exportador de café, na época em que o Rio de Janeiro era capital da República. Anos depois o Dr. Othon Silva e Souza, proprietário do Colégio Pedro I, em Braz de Pina, onde hoje se localiza o Instituto Maximus, adquiriu a casa tornando o imóvel ponto de referência social com grandes festas, frequentada pela alta sociedade do Rio de Janeiro. Suas festas saíam nas colunas sociais dos maiores jornais da cidade. Era a época do glamour. Já nos anos 60, o Sr. Mario Lessa, proprietário da empresa do 484 e 485 entre outras, comprou a casa e fez uma grande reforma havendo a primeira descaracterização, mudando as janelas e trocando as telhas que eram de placas de ardósia, por telhas coloniais. O casarão era um típico estilo inglês. O elevador foi feito, pois D. Noemia, sua mulher sofria do coração e não podia subir escadas. Sua mulher acabou falecendo e a obra não foi finalizada. Seu Mario que era grande amigo de minha família, me emprestou a casa, ainda em reforma, onde realizamos uma festa que ficou na história da época: A Noite Psicodélica, onde lançamos a luz negra, jogo de luz e outras novidades. Quem foi testemunhou essa festa inesquecível, sendo a última festa ali realizada. Quando fui presidente da Associação dos Moradores, lançamos o projeto Centro Cultural Dolores Duran, no casarão tendo conseguido ser aprovado inclusive pelo Plano Estratégico da Cidade. Na época o Conde perdeu as eleições para o Cesar Maia e o projeto foi por água abaixo. Na época o proprietário erar o Sr. Nildo que comprou a casa para morar com sua família, mas o bairro já estava em decadência e seus filhos foram contra. Acho que poderíamos fazer um grande movimento apartidário para cobrar o que foi aprovado no antigo Plano Estratégico da Cidade e não foi cumprido, mas uma andorinha só não faz verão. Estou disposto a lutar por esse sonho desde que haja apoio de todos e não seja manipulado por interesses políticos. Aí estou fora... Tem muito mais histórias, mas depois eu conto...rs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gostaria mto de conhecer o casarão por dentro,nasci e me criei em cordovil,hoje moro na glória,mais sempre sonhei com aquele casarão ,tive até pesadelo acho que era p/ deixar de sonhar em ve-lo por dentro,será que agora posso ter esse sonho concretizado? me dida por favor,meu email é cleudacandida@bol.com,br.Mto obrigado Boa noite,aguardo retorno.

      Excluir
  11. Sérgio: qual desses citados era o tal velhinho da história/
    E... então não fora construído por alemão algum?
    Engraçado... as janelas não parecem diferentes da foto original...
    E... V. que frequentou a casa... tem mesmo uma edícula no terreno?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na verdade a história do casarão tem muitas estórias...
      as pessoas ouvem uma história e contam outra virando um telefone sem fio.O bairro foi inaugurado em 1929, pela companhia Kosmos, sendo o primeiro bairro projetado como modelo da cidade, com o nome de Vila Guanabara, conhecida como a Princesinha da Leopoldina.
      Na época, o prefeito Pereira Passos queria descentralizar a cidade, que se concentrava no centro, onde existia o comércio (por isso até hoje dizemos vamos a cidade)... Os cariocas iam ao centro para fazer compras. Então o prefeito contratou urbanistas europeus que trouxeram um projeto inglçes das chamas cidades jardim. E assim nasceu a Vila Guanabara, um bairro lindo

      Excluir
    2. A Companhia Kosmos comprou as terras que eram fazendas remanescentes do antigo engenho de açucar, nas terras do Visconde de Braz de Pina (sec. XVIII) e planejou, construiu e inaugurou nossso bairro modelo, em 1929.
      Meu avô, Dr. Samuel Dutra, um dos primeiros médicos do bairro, assim como meu tio, Dr. Nelson Dutra, um dos primeiros dentistas, vieram da Urca, onde meu avô tinha casa e clínica para morarem em Braz de Pina, isso, nos anos 30. Meus pais se conheceram aqui, se casaram na Igreja de Santa Cecilia e eu nasci na casa onde moro, sendo batizado na mesma igreja. Sou um defensor ferrenho da valorização da cultura do subúrbio que só é reatratada, infelizmente, em sentido pejorativo. Tenho muito mais histórias, não estórias para contar...rs. Um abraço a todos.

      Excluir
    3. E respondendo a você, Cardoso, o velhinho da história... o alemão... só pode ser o Alzheimer...rs.
      Um abraço.
      Podem me add no facebook.

      Excluir
    4. Mais uma aula de historia de Braz de Pina dada pelo Sergio Dutra

      Excluir
    5. Sergio o casarão é mal assombrado?

      Excluir
    6. existe historias de pessoas que visitaram o casarão e depois morreram, como o caso do sr milton lacerda que sofreu um terrivel acidende apos sair de lá

      Excluir
  12. Rapaz o Sergio Dutra matou a pau, sabe tudo de Braz de Pina. Aprendemos muito com esse comentário. Muito bom.

    ResponderExcluir
  13. Show de bola e me pareceu brilhante a ideia de se fazer do casarão uma casa de cultura.

    ResponderExcluir
  14. Há muitos anos li uma reportagem sobre lugares assombrados na Revista do Domingo, que vinha como encarte do Jornal do Brasil, sobre esse casarão e outros lugares. Achei muito interessante, nunca mais esqueci.. Quando passso na estação de Brás de Pina sempre procuro pelo casarão... Parece que algo me atrai à ela... Uma pena seu estado de conservação tão deteriorado...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente uma pena o estado do casarão. Gostaria de ter lido essa reportagem da Revista de Domingo.

      Excluir
    2. Oi Luiz Carlos.
      A reportagem da Revista do Domingo foi em cerca do final da década de 80. Nessa reportagem incluíram o Castelinho do Flamengo e algumas casas antigas no subúrbio do Rio. Estranho que os jornalistas que fizeram a reportagem, alegaram que quando chegaram nesse casarão de Brás de Pina, um caseiro atendeu com um sorriso no rosto e disse que estava aguardando-os para a reportagem.... Mas os jornalistas afirmaram que não tinham feito contato ninguém, não agendaram nenhuma visita.... Eu fiquei receosa. Acho a casa linda, mas não teria coragem de morar nela, nem mesmo pernoitar por uma noite que seja....

      Excluir
  15. Não...eu tô esperando eu me fazer na vida pra comprar ele, cara! :'( Tem que continuar à venda por mais uns 4 anos! HSUAHSUHAUSHAHS "Me espera castelinho...me esperaaaa" hahahaha

    ResponderExcluir
  16. gostaria de saber se vc tem alguma informaçao de uma familia que morava na rua tiboim 536 ai em bras de pina o nome do pai da familia era manoel rodrigues e amae francisca nery rodrigues tinha irmaos antonio e erminio pode ser que alguem lembre ele era maquinista do cais do porto do rj. vou deixar meu email para comunicaçao madarodrigues.rodrigues@gmail.com.eles viberam ai ate o ano 1950

    ResponderExcluir
  17. O amor pelo bairro me fez montar uma comunidade(Respeite o meu Bairro Brás de Pina e Cordovil)quero muito o apoio de vocês moradores,vamos tentar resgatar a nossa história.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Atila, cresci em Brás de Pina e, embora afastado há muitos anos porque fui morar em outra cidade, guardo muitos laços afetivos com o lugar. A propósito, minha atual pesquisa na universidade em que trabalho (UFRJ/Macaé) fala exatamente desse tema, a topofilia. Lembro com muita saudade do mistério que o casarão tomava a mim e outras crianças. Coloco-me à disposição para ajudar em seu projeto. Parabéns pela iniciativa. Abs. Cezar Santa Ana (Rio das Ostras - RJ)

      Excluir
  18. Acho que arranjei uma concorrente rsrs Estou interessada pelo casarão também, fia!!!!

    ResponderExcluir
  19. Ontem (12/01/2014) passei ali e vi a placa de venda do imóvel. Sou morador de outro bairro (Guadalupe). Proponho que os moradores entrem com uma ação publica pedindo algo no sentido de o novo proprietário não demolir o imóvel ou pedir as autoridades que criem mesmo o centro cultural que os moradores estão querendo. É tanta história jogada no lixo nesta nossa cidade que deveria ser preso quem faz este tipo de coisa!

    ResponderExcluir
  20. Com o mercado imobiliário atualmente em alta aqui no Rio, esse casarão, mesmo muito deteriorado, não custa menos de R$ 1.000.000,00 (um milhão de reais). Porque além da construção, tem também toda a área do terreno, que não parece ser pequeno...

    ResponderExcluir
  21. Sem dúvida nenhuma, esta casa precisa ser preservada e virar um centro cultural, o que seria muito importante para a cidade do Rio de Janeiro. Em todo o subúrbio carioca, há preciosidades como esta. É de importância vital que sejam preservadas.

    ResponderExcluir
  22. Eu também tenho muita curiosidade em conhecer essa tão assombrada casa da para fazer um flime .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Desde criança escutou dizer que tinha um casal que morou ali a muitos anos atrás e o marido matou a mulher e emparedou por isso a casa ficou mal assombrada se é verdade não sei.

      Excluir
  23. amo construções antigas e essa em particular me apaixona,pena que está se destruindo.
    Poderia ser revitalizado e disponibilizado para visitação,eu adoraria visitar essa casa conhecê-la por dentro.

    ResponderExcluir
  24. A casa desperta muita curiosidade,se fosse criado um centro cultural e bem administrado a visitação o manteria existe milhares de, vamos dizer assim,
    (brasdepinenses) com esta mesma curiosidade que voltariam a Brás de Pina para uma visita a este casarão não possuo mais vínculo com o bairro,mas seria um dos que voltaria. abraços a todos brasdepinenses.

    ResponderExcluir
  25. Muito bem li quase todas as informações pois estou fazendo uma pesquisa sobre o Bairro que inclui o casarão. estou reunindo pedaços aqui e ali e montando. Mais o casarão a parte tem sim uma energia sobre ele e seus antigos moradores se for negativa pior ainda se não são só curiosidades e histórias pra crianças irem dormir mais cedo kkk. Mais com certeza o compraria gosto da sua arquitetura e a ideia de transforma-lo em museu. Até os professores do bairro pensam assim...Luz&Paz

    ResponderExcluir
  26. Meus tios moravam em frente ao casarão na calçada ao lado, minha infância foi aí na década de 80, sempre tive vontade de conhecer o casarão sendo assombrado ou não essa vontade mora em mim, desde aquela época ele já estava abandonado, se eu ganhasse na mega sena reformaria ele é moraria lá, também sou super a favor do centro cultural!! Moro em Cordovil e toda vez que pego o ônibus 905 passo praticamente em frente e não me canso de admirá-lo imaginando quem morou ali, e se realmente é assombroso!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Algum tempo atrás tinha um homem tipo índio que ficava lá de repente ele sumiu mas se alguém quiser conhecer a casa por dentro é só ligar para o número da placa e marcar visita semana passada tinha gente lá vendo

      Excluir
  27. Nossa! isto é reliquia e tambem a conheço meu tio morava proximo dela,sempre foi um chamaris para a mente das crianças e dos adultos.

    ResponderExcluir
  28. Nossa!!!Até hj sou doida p/entrar nesse casarão que eu chamo de castelo,meu sonho quando era criança era comprar e pintá-lo de rosa,rsrs....p/ser igual o castelo das princesas,rsrs...Será que se eu for lá,o tal velhinho(caseiro)ele deixa eu entrar e tirar várias fotos?!!!rsrs...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Visite nossa pagina no facebook Um Coração Suburbano, voce vai gostar.

      Excluir
  29. https://www.facebook.com/groups/179786202229231/

    ResponderExcluir
  30. Moro no bairro a anos e todos os dias passo em frente ao castelinho para pegar o trem, parabéns senhor Sérbio dutra pelas explicações, morro de vontade de entrar lá para ver cada detalhe super apoio virar um centro cultural vamos reviver ,resgatar nosso bairro querido Brás de Pina

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo comentario, visite tambem nossa pagina no facebook Um Coração Suburbano.

      Excluir
  31. Gente li os comentários acima, quantas histórias importantes estão morrendo no subúrbio, é uma pena!
    Não tem nada de centro cultural por aqui, só igrejas protestantes e shopping, lamentável!
    Aquela Fazenda Capão do Bispo também está no mesmo caminho!
    Muito triste!

    ResponderExcluir
  32. Eu liguei no começo desse ano pra sabe quanto estava custanto o imóvel (castelinho) o senhor q atendeu falou que está a 500 mil reais..agora não sei se aumentou ..!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. http://www.vivareal.com.br/imovel/lote-terreno-3-quartos-bras-de-pina-zona-norte-rio-de-janeiro-com-garagem-2000m2-venda-RS1300000-id-56129474/

      Excluir
    2. Está custando um milhão e duzentos mil. Vi hj na olx.

      Excluir
    3. Está custando um milhão e duzentos mil. Vi hj na olx.

      Excluir
  33. Amo construções antigas.. Sempre quiz entra pra conhecer.. Aquele castelinho tem algo de intrigante, algo que faz agente ter muito interesse em entrar...!! Já pensei em fingir q estou interessada a compra só para poder entrar e ver o interior do castelo...mais não levei a dianta ....!! Mais q seria maravilhoso abrir o castelo pra visitação isso sim..!

    ResponderExcluir
  34. http://www.vivareal.com.br/imovel/casa-3-quartos-braz-de-pina-zona-norte-rio-de-janeiro-com-garagem-2000m2-venda-RS1300000-id-55752900/

    ResponderExcluir
  35. Está a venda... Uma pena, já que dificilemnte será preservada. Mais detalhes neste link: http://www.vivareal.com.br/imovel/lote-terreno-3-quartos-bras-de-pina-zona-norte-rio-de-janeiro-com-garagem-2000m2-venda-RS1300000-id-56129474/

    ResponderExcluir
  36. nossa ,toda essa história ,é verdadeira,eu adolecente morava em vista alegre ,e na década de 70 pra 80 passava em frente com meu ford maverick, e sentia mesmo um certo atrativo misturado com medo por essa casa,viajei com as histórias......

    ResponderExcluir
  37. nossa ,toda essa história ,é verdadeira,eu adolecente morava em vista alegre ,e na década de 70 pra 80 passava em frente com meu ford maverick, e sentia mesmo um certo atrativo misturado com medo por essa casa,viajei com as histórias......

    ResponderExcluir